A CONQUISTA DA FELICIDADE - Marta

Jefferson Severino - 21/05/2020 SC 01571 JP

A CONQUISTA DA FELICIDADE
Marta

 

A conquista da felicidade sempre foi uma das maiores metas existenciais da criatura humana. Sedento de  poder e domínio, pelas armas e pela astúcia dilatou sua ambição além das quatro paredes do lar, escravizando povos e submetendo civilizações ao seu talante.

Imaturo e psicologicamente infantil, admitia que a felicidade estava na posse de gado e terras, rios e mares, moedas de prata e ouro, olvidando que pela guerra e traição outros tomariam esses pertences, e com a morte tudo ficaria no mundo, passando a posse transitória a outras vidas.

Buscou sedento, nos afetos e amores de ocasião, a felicidade conjugal, admitindo pelo prisma das paixões que esta estaria entre lençóis e a satisfação da sede abrasadora do sexo, caindo nas garras da loucura da libido, perdendo a própria paz.

Mais alguns consideraram que a felicidade estaria na negação dos prazeres do mundo, e buscaram segregação compulsória em abadias e monastérios, cavernas isoladas e florestas bravias, afastando-se da sociedade para cultivo da vida contemplativa.

Alguns poucos lograram iluminar-se pelo cultivo da sabedoria, serviço ao próximo e produção intelectual que lhes preencheu a solidão e o vazio existencial.

A maior parte mergulhou no caos íntimo, tentando fuga desesperada de si mesmos.

Inquirido sobre o que considerava como felicidade, Sócrates respondeu que esta era constituída de três fatores básicos.

Cumprimentos de deveres, que ensejava paz no coração e uma consciência tranquila.

Portanto, a felicidade não estava na posse de coisas transitórias ou no domínio do mundo externo, porque tudo quanto se possui transfere-se para terceiros quando de nossa ausência pela morte.

Se o passado guarda a virtude das lições e da experiência, o futuro nos acena com infinitas possibilidades, mas ambos os tempos estão inacessíveis.

Um porque já se foi, onde nada mais pode ser feito, e o outro porque ainda não chegou, tornando-se fator de ansiedade e inquietação crescente quando não aguardado com serenidade e confiança.

O melhor tempo da felicidade é o hoje, pois que cada instante do agora se apresenta rico de possibilidades de realização e construção de uma existência ditosa, feliz.

A maturidade, fruto da vivência e das experiências da vida vai lentamente edificando uma visão esclarecida da marcha, facultando que se façam escolhas equilibradas, se adotem posturas saudáveis e se pratiquem atos que não gerem consciência de culpa, que é trava bloqueadora da felicidade.

À medida que se evolui, o ser vai focando suas metas naquilo que transcende, que não se dilui no sepulcro e, identificando-se com a vida futura, trabalha esperançoso na construção de uma felicidade que paira acima das paisagens materiais, onde se frui apenas momentos de prazer, que são tomados como instantes fugidios da felicidade almejada.

A Boa Nova é manancial rico de uma filosofia existencial, que propõe o amor como conduto da felicidade, a fé como certeza da própria imortalidade e a esperança como meta a ser alcançada no desiderato evolutivo, forrando o ser às incertezas do caminho e o preparando para a vida plena, a ocorrer na pátria espiritual, de onde todos nós procedemos e para onde fatalmente regressaremos.

Demonstrando uma existência sem medo, sem ansiedades e sem conflitos em torno de posses e do tempo, Jesus é até hoje o paradigma do ser livre de amarras e injunções constritoras da felicidade, colocando Sua existência a serviço de todos em nome do Pai.

Adotando-o como modelo e guia, ressignifica teus conceitos sobre o que seja felicidade e de que instrumentos vens utilizando para alcançá-la.

Desperta para a vida interior, aviltada em nome da posse alucinada, pois que de nada adianta ao homem ganhar o mundo e perder a própria alma.

Qualquer vitória externa é engodo. A maior batalha será travada pelo ser contra suas paixões, más inclinações e arrastamentos perniciosos, e sua arena de lutas será sempre o íntimo, onde se homiziam seus medos e ilusões, a se diluírem ante o sol da Galileia, que veio nos apontar um caminho seguro para a vida, sendo Ele um cântico de verdade e a possibilidade real de nos dar a felicidade sem jaça, que o mundo teima em ignorar.

Marta
Psicografia de Marcel Cadidé Mariano
Centro Espírita Caminho da Redenção
Mansão do Caminho
Instituição fundada por Divaldo Franco e Nilson a mais de 75 anos
Marcel também é trabalhador da Federação Espírita da Bahia a mais de 37 anos
Salvador, 21.05.2020

 
 
 
 
 
 




« Leia outros artigos