"FOMOS OTIMISTAS DEMAIS" DIZ SÓCIO DA EMPÍRICUS, SOBRE "O FIM DO BRASIL" - por Luiz Lima

Jefferson Severino - 22/07/2015 SC 01571 JP

"FOMOS OTIMISTAS DEMAIS" DIZ SÓCIO DA EMPÍRICUS, SOBRE "O FIM DO BRASIL"
por Luiz Lima

Felipe Miranda da empresa Empiricus(Lailson Santos/VEJA)

'Um ano após a divulgação do relatório que foi censurado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a pedido do PT, Felipe Miranda diz que cenário econômico é mais grave do que se imaginava antes das eleições.

Um ano após a publicação do relatório 'O Fim do Brasil', o autor e sócio da consultoria Empiricus, Felipe Miranda, diz que as previsões negativas sobre os rumos da economia que irritaram o PT na época das eleições falharam por não terem captado toda a gravidade da situação econômica do país. "Se considerarmos o tamanho da atual recessão, a fragilidade da situação fiscal ou o nível de taxa de juros, erramos tudo. Nossa visão pessimista mostrou-se otimista diante dos fatos", diz. No entanto, Miranda pondera que a direção não estava completamente errada. "No fim, entre todos, fomos aqueles que chegaram mais perto de acertar", diz.

À época da divulgação do relatório, uma liminar do ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga determinou a retirada de propagandas do relatório na internet por "não dar tratamento isonômico" aos então candidatos, já que relacionava conteúdos negativos à Dilma e fazia elogios ao tucano Aécio Neves. Num segundo momento, o tribunal cassou, por maioria, a liminar, ao temer a intervenção da Justiça Eleitoral.

Miranda relembra os debates acirrados do período e reclama das críticas recebidas pelo pessimismo exacerbado de suas análises. O economista formado pela Fundação Getulio Vargas conta que, quando o dólar ainda sustentava o patamar dos dois reais, a Empiricus foi duramente alvejada por já apostar que a moeda americana ultrapassaria a casa dos 3 reais. Nesta sexta-feira, o dólar fechou a 3,34, maior nível desde março de 2003. Em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), a previsão da Empiricus era de queda de 1% este ano e estabilidade em 2016 - números mais otimistas, inclusive, do que previsões atuais do próprio governo. "Quando cravamos um recuo de 1%, nos acusaram de alarmismo", diz. Para este ano, grandes bancos como o Credit Suisse e Itaú já falam em retração de 2,5%.

Já para a inflação, a Empiricus chegou mais perto de acertar: projetaram que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) alcançaria dois dígitos este ano. "Se não chegar a 10%, chegará muito perto", diz Miranda. No acumulado em 12 meses até junho, a inflação já atinge 8,89%. Já para a Selic, atualmente em 13,75%, a Empiricus chegou a falar em uma taxa de juros a 15% em 2015 - mas agora aposta em um nível de 14,75%.

Segundo o analista, o problema mais grave, no entanto, é na área fiscal. "Já apontávamos um quadro de deterioração fiscal, tanto na frustração da receita, quanto na dificuldade em cortar gastos correntes, além do tamanho e extensão da recessão", diz. Tal deterioração, segundo Miranda, se deve ao fato de que a herança do primeiro mandato de Dilma pode ser "mais maldita" do que se supunha. "Em paralelo, tivemos um Congresso mais belicoso e menos susceptível a aprovar mudanças originais propostas no ajuste, além dos desdobramentos do petrolão.".

Após a redução das metas de superávit primário, na última quarta-feira, o governo só deve conseguir retomar uma trajetória de crescimento econômico e redução da dívida bruta em 2018. Miranda, no entanto, discorda que a presidente será capaz de entregar a 'casa organizada' para o próximo presidente. "Parte de nossos problemas são estruturais e não conjunturais. Ainda temos gastos públicos que não cabem no PIB e isso não se muda de uma hora para outra", justifica, citando a queda da arrecadação, do preço de commodities e a falta para mudanças no mercado de trabalho.

LEIA MAIS:

Dólar sobe ao maior valor em 12 anos com incertezas sobre ajuste fiscal

Governo reduz meta fiscal e anuncia corte de R$ 8,6 bilhões

Para este ano, a Empiricus projeta uma queda de 2,5% para o PIB. Em 2016, o recuo deve ser de 0,5% e em 2017, deve ser zero. Já para a inflação, é esperado 9,5% este ano e 5,5% em 2016. No caso da evolução da dívida bruta sobre o PIB, a Empiricus aposta em 72% em 2018, contra 66% na perspectiva do governo.

REVISTA VEJA

post abortion stress syndrome abortion aspiration abortion clinics in austin tx
android spyware spy app for phone spy android app
how to cheat on my husband My boyfriend cheated on me why do husband cheat
why women cheat with married men read cheat on wife
women who cheat on relationships justinbuchanan.com how to cheat wife
should i tell my husband i cheated madsmoller.com my husband is a cheat
sildenafil citrate pill open amoxicillin 500mg
vardenafil 10mg cephalexin 750mg avodart 0.5mg
prescription transfer coupon free discount prescription card discount drug coupon
viagra coupon 2016 open discount prescription drug cards
drug prescription card modelosguayaquil.com drug prescription card
differin nursece4less.com differin jel leke
sildenafil teva 100 mg cena celticcodingsolutions.com sildenafil smpc
cheap cialis click cialis coupon
concordancia nominal ski-club-auringen.de concordancia nominal




« Leia outros artigos